Uma breve biografia do Pai da História do Brasil - Visconde de Porto Seguro

BREVE BIOGRAFIA DE FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN
VISCONDE DE PORTO SEGURO
PAI DA HISTÓRIA DO BRASIL

 

Francisco Adolfo de Varnhagen, Visconde de Porto Seguro, nasceu na vila de São João de Ipanema em Sorocaba, SP, a 17 de fevereiro de 1816. Filho de Frederico Luís Guilherme de Varnhagen e de Maria Flávia de Sá Magalhães, estudou no Real Colégio da Luz em Lisboa, de 1825 a 1832 e, a seguir, ingressou na Academia de Marinha, cujo curso frequentou em 1832 e 1833. Faleceu em Viena, Áustria, a 26 de junho de 1878. É o patrono da cadeira nº 39 da Academia Brasileira de Letras, por escolha do fundador Oliveira Lima.

Tenente de artilharia do exército português aperfeiçoou-se em assuntos de natureza militar e de engenharia. Publicou em 1838 um ensaio intitulado Notícia do Brasil. Colaborou em O Panorama, dirigido pelo grande historiador português Alexandre Herculano. Divulgou, fruto das primeiras notáveis pesquisas sobre a época do descobrimento do Brasil, o Diário de Navegação de Pero Lopes de Sousa. Já licenciado do exército português tornou-se sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (18 de julho de 1840).

Nomeado adido à legação do Brasil em Lisboa, em 1841, foi incumbido de pesquisar documentos sobre a História e a Legislação referentes ao nosso país. Nesse mesmo ano passou a integrar o Imperial Corpo de Engenheiros do exército brasileiro, do qual se desligou três anos depois. Voltou à carreira de diplomata e, em 1854, conseguiu editar a História Geral do Brasil, sem indicação explícita de autoria, assinada apenas “por um sócio do Instituto Histórico do Brasil, natural de Sorocaba.”

Seguiu-se uma série de missões diplomáticas em vários países da América do Sul e, em 1868, em Viena. Representa o Brasil, em 1872 no Congresso Estatístico de São Petersburgo. Em 1877 percorre, no Brasil, o interior das províncias de São Paulo, Goiás e Bahia. É agraciado pelo governo imperial com os títulos de Barão e Visconde de Porto Seguro (1874). No Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro ocupou os cargos de 1º Secretário e de Diretor da Revista da entidade.

A extensa e bem documentada obra de Varnhagen inclui, entre os mais notáveis de seus escritos, O descobrimento do Brasil, O Caramuru perante a história, Tratado descritivo do Brasil em 1587, História completa das lutas holandesas no Brasil, Épicos brasileiros, Florilégio da poesia brasileira, Amador Bueno, drama histórico, Cancioneiro, Literatura dos livros de cavalaria.

Dele escreveu Oliveira Lima: “Francisco Adolfo de Varnhagen foi por certo o mais notório e o mais merecedor dos estudiosos do passado brasileiro; foi um ardente investigador, um infatigável ressuscitador de crônicas esquecidas nas bibliotecas e de documentos enterrados nos arquivos, um valioso corretor de falsidades e ilustrado conhecedor de fatos. O traço dominante da individualidade de Varnhagen é a paixão da investigação histórica à qual subordinou todas as suas manifestações de escritor.

 

Fonte: Academia Brasileira de Letras